Alimentação em câncer

Proteína: um nutriente essencial para a manutenção da saúde

04 Apr, 2017

A desnutrição energético-proteica é muito frequente nos pacientes com câncer e os fatores determinantes da desnutrição nestes indivíduos são: a ingestão total de alimentos reduzida, alterações de metabolismo e o aumento da demanda calórica causados pelas características do tumor. 1,2

Porém, estes pacientes, diversas vezes reduzem o consumo de proteína durante alguma fase do tratamento, o que pode prejudicar o estado físico deles e, consequentemente, piorar a qualidade de vida. Isso ocorre por falta de apetite, sintomas associados ao tratamento como náuseas e vômitos e até por dificuldade de mastigação e/ou digestão. 1,3

Nesses casos, suplementos proteicos são indicados para complementar as refeições ao longo do dia.2 O uso de suplementação oral hiperproteica (rica em proteínas) é recomendado devido a redução da massa magra e da força muscular, podendo também reduzir o risco de desenvolvimento de complicações em pós-operatório.2 É importante que o suplemento apresente um excelente perfil de aminoácidos, com proteínas de alto valor biológico. Os aminoácidos essenciais, principalmente os de cadeia ramificada, favorecem a síntese proteica muscular, a preservação de massa magra e a função metabólica do músculo esquelético. 3,2,1Sendo assim, a utilização da proteína como suplementação na rotina alimentar desses pacientes, objetivando a recuperação do estado nutricional, é totalmente indicada, adequando a quantidade proteica ofertada à quantidade diária necessária para cada paciente.3

Referências:

MOREIRA, J. C.; WAITZBERG, L. D. Nutrição Oral, enteral e parenteral na prática clínica. São Paulo: Atheneu, 2000.

MAURÍCIO, S. F.; Impacto Nutricional no paciente oncológico. Revista Brasileira de Ciências da Vida. Volume 2. Edição Especial. 2014.

WAITZBERG, L. D. Dieta, Nutrição e Câncer. São Paulo: Atheneu, 2004.


Compartilhe: