Alimentação em câncer

Suplementação aliada à melhora funcional do paciente

04 Apr, 2017

Suplementação aliada à melhora funcional do paciente e a capacidade de locomover e realizar tarefas do cotidiano

Pacientes oncológicos, em tratamento, tendem a apresentar náuseas, vômitos, diarreia, diminuição de apetite e perda de peso, algumas vezes acompanhado de fadiga e dor. Esses sintomas influenciam na queda das atividades do cotidiano como: trabalho, passeios, dificuldade em preparar suas refeições, falta de disposição em se relacionar com as pessoas, causando importante redução na qualidade de vida. 1

Diante dessas dificuldades, o paciente pode apresentar baixa ingestão de alimentos sendo necessário um tratamento nutricional a base de suplementos orais, os quais auxiliam na estimulação do apetite e na garantia de uma nutrição equilibrada com proteínas, carboidratos, lipídeos, vitaminas e minerais. 2

Alguns estudos apontam que uma suplementação completa com nutrientes de boa qualidade, além de minerais e vitaminas antioxidantes, podem reduzir os efeitos colaterais da quimioterapia e radioterapia, sendo capaz de auxiliar na eficácia do tratamento e na redução da toxidade. Esse contexto favorece que o paciente seja mais tolerante ao tratamento oncológico proposto, o que melhora a disposição para trabalhar, preparar suas refeições, passear e até mesmo se relacionar com as pessoas.

A atividade física supervisionada também contribui para uma melhora funcional, reduzindo a fadiga muscular e melhorando o aproveitamento dos alimentos e suplementos orais ingeridos. Dessa forma, uma suplementação oral adequada associada à atividade física produzem impacto importante na qualidade de vida e auto estima do paciente3,4.

Referências:

  1. FORTES C.R. et. al. Qualidade de Vida de Pacientes com Câncer Colorretal em Uso de Suplementação Dietética com Fungos Agaricus Sylvaticus após Seis Meses de Segmento: Ensaio Clínico Aleatorizado e Placebo-Controlado. Ver. Bras Coloproct. Abril; junho, 2007 vol.27 n 2.
  2. GARÓLOGO A. et. al. Balanço entre ácidos graxos ômega 3 e 6 na resposta inflamatória em pacientes com caquexia. Rev. Nutrição, Campinas, 19(5):611-621, set. out., 2006.
  3. PEDROSO WELLIINGTON et. al. Atividade física na prevenção e na reabilitação do câncer. Motriz. Rio Claro, v11 n.3 p.155-160, set. dez. 2005.
  4. CRUZ, S. M. W. et. al. A terapia nutricional com vitaminas antioxidantes e o tratamento quimioterápico oncológico. Revista Brasileira de Cancerologia, 2001, 47(3):303-08.

Compartilhe: